Elipse


Se a escrita, como uma droga,

momentaneamente atenua o

(elipse de um objeto mesmo não traduzível

e, se o fosse, não deveria sê-lo);


no silêncio, para o meu desespero,

como um tesouro privado e recôndito,

esteve mais vivo do que nunca.


Não há o que fazer, a não ser (viver?)

construir uma escada de nadas,

sobre o instável terreno

da expectância e do vício.


Deise Zandoná Flores


do livro:

HADES - ENTRE MORTOS E ESQUECIDOS

297 pág.


Adquira o seu na Amazon:

https://www.amazon.com.br/gp/product/6500018893/ref=dbs_a_def_rwt_hsch_vapi_tu00_p1_i2


Ou na editora Clube de Autores:

https://clubedeautores.com.br/livro/hades


#poetisa #poeta #alma #livro #livronovo #livrodepoesia #livrodepoesias #HADESlivro #Hades #dor #cura #sofrimento #redenção #poema #Clubedeautores #beleza #DeiseZandonáFlores #poesiabrasileira #poesiacontemporânea #poesiaautoral #poesia #ADQUIRAJáOSeu #Amazon #nãoperca