Vestida de Ar


Vestida de ar, varre a amplidão a poesia, da discrição à penumbra, à neblina, ao ocaso; escondida, astuta, nas entrelinhas, guardado o baú de caminhos e de embriões abortados. Vestidos de ar, amores abandonados, da lira de Apolo, pelo doce som, ungidos, guardados pela Memória no cômodo dos esquecidos; já atingiram qual coisa de etéreos e, em um tempo sem tempo, de sagrados. Vestidas de ar, a voz e a forma: qual coisa da poesia gosta; qual outra de mim discorda. É uma odisseia encrespada: da Fama, despida;

da Terra maldita, abrigada em choupana. No sítio da Metade, o seu todo é o equilíbrio entre o caminho iluminado e a vã esperança.

*****

#poesia #vestidadear #Memória #lira #esquecimento #odisseia #fama #sagrado #moderação #prudência #anonimato

8 visualizações
ATENA

ATENA

Adquira já o seu livro de poesias!

APOLO

APOLO

Adquira já o seu livro de poesias!

HADES

HADES

Adquira já o seu livro de poesias!

AFRODISIA

AFRODISIA

Adquira já o seu livro de poesias!

Patrocine a poetisa. Doe um cafezinho. Grata!

Siga-me nas redes sociais.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram