Não é e Nunca Será


Eu vejo através das janelas, dos espelhos feitos de gotas de chuva pessoas criam as jaulas em que estão presas, correntes de ideias contaminadas E ficarão lá por muito tempo se nada for feito, trancadas pelo lado de dentro com as chaves nas mãos, e os sonhos presos atrás dos espelhos d'água, com o sorriso artificial do álcool e da euforia para não ver as grades feitas com as barras da dispersão. Com a visão turva, O tato perdido nas luvas da ignorância, A audição poluída por milhares de músicas iguais umas às outras, O paladar repleto de sabores que a mente faz questão de desconhecer, O olfato preenchido com o cheiro da autodestruição. Eu vejo através das janelas e do espelho feito de gotas de chuva, pessoas criam as jaulas em que estão presas contidas pelas grades da dispersão, pelas correntes de euforia artificialmente mantida com artifícios e subterfúgios. Leitos confortavelmente construídos sobre tapetes que encobrem o que não deve ser enfrentado E o tempo todo preenchido para evitar que o pensamento alcance a angústia, o tédio e a insatisfação Para evitar que a reflexão encontre a saída feita de brasas e pedras pontiagudas que os pés devem atravessar descalços. Tempo artificialmente preenchido com artifícios e subterfúgios, Mapas inteiros de rotas de fuga, Sons esticados ao último volume, Píncaros de cegueira voluntária, Tratados inteiros de álcool, Agenda repleta de sexo fácil e vazio para suportar tudo o que machuca e os que morrem nas filas de hospitais. Euforia mantida a qualquer preço Anestesia Mas a euforia não é e nunca será alegria. Euforia mantida a qualquer preço, Tempo preenchido a qualquer custo, Mas euforia não é e nunca será o que a alma precisa. Euforia: Tempo preenchido a qualquer preço Tédio crônico e patológico, Ilusão de alegria, Alegria drogada, Rota de fuga feita de becos sem saída. É o que eu vejo através das janelas no espelho das gotas de chuva nunca derramadas pelos olhos da alma, contidas, esquecidas em um baú empoeirado qualquer em um sótão qualquer. Pessoas criam as jaulas em que estão presas, contidas pelas barras da dispersão, represadas pelas correntes da euforia, trancadas pelo lado de dentro com as chaves nas mãos, Mas a euforia não é e nunca será...

***

#euforia #tédio #tempo #alegria #sentidos #insatisfação #álcool

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Danças

ATENA

ATENA

Adquira já o seu livro de poesias!

APOLO

APOLO

Adquira já o seu livro de poesias!

HADES

HADES

Adquira já o seu livro de poesias!

AFRODISIA

AFRODISIA

Adquira já o seu livro de poesias!

Patrocine a poetisa. Doe um cafezinho. Grata!

Siga-me nas redes sociais.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram