Tempero de Uma Receita Antiga


Dor e raiva se misturam como ingredientes de uma receita desprezível Seria a raiva apenas o tempero da tristeza? No espelho, os olhos respondem que as distrações do dia-a-dia já não distraem, que as alegrias do dia-a-dia já não alegram. Emoções rolam num crescente como uma bola de neve uma avalanche que tudo arrasa e soterra, e, antes de apagar a última centelha, eu só quero tomar um último fôlego. Eu já me tornei íntima do abismo Eu já fiz amizade com meus demônios, e agora estou pronta para retornar para a terra de ninguém, para o reino do esquecimento onde Perséfone se fez soberana. Foi lá em outra vida que eu parei de florescer. É porque já estive lá outras tantas vezes que o sangue derramado em oferenda já não me faz ser lembrança, ter instantes de memórias. Arraso os campos floridos em busca de sentidos que minhas palavras não têm o poder de atribuir pois tudo o que há é o escuro, o obscuro o pensamento nebuloso de que se pode transcender o absurdo. E antes do fim poder olhar para trás e quem sabe saber, e quem sabe dizer se fui feliz algum dia, alguma vez. Dor e raiva se misturam em uma receita desprezível que ninguém quer experimentar mas precisa sentir o efeito vertiginoso e nauseante do abismo. Seria a raiva apenas o tempero da tristeza? Nas minhas veias, a pressão aumenta enquanto o coração pesado, partido em mil pedaços, doendo em cada batida, ordena atravessar o rio a nado. E eu que não sei nadar E eu que nem quero aprender porque daqui eu vejo tudo o que preciso. É alto o suficiente, distante o suficiente, é suficiente. Dor e raiva se misturam e eu querendo bater em retirada de volta ao terreno das antigas sombras ou em um lugar escuro qualquer ficar em companhia da lua porque o sol o sol não tem nada de novo a me dizer nem o poder de me fazer querer, de novo e mais um pouco, de novo e mais um pouco do que eu tive antes - ou achei que tive - num delírio, numa ilusão, num castigo, numa redenção, na pele ou no coração. Vislumbro os ingredientes de uma receita nova e auspiciosa e de novo tudo está ao contrário, e entre pentagramas ou escapulários, vejo a garoa que começa a cair lá fora desenhada em gotas de triste beleza deixa no chão apenas a questão: seria a raiva o tempero da tristeza? *******

#raiva #dor #tristeza #névoa #sombras #hades #perséfone

10 visualizações
ATENA

ATENA

Adquira já o seu livro de poesias!

APOLO

APOLO

Adquira já o seu livro de poesias!

HADES

HADES

Adquira já o seu livro de poesias!

AFRODISIA

AFRODISIA

Adquira já o seu livro de poesias!

Patrocine a poetisa. Doe um cafezinho. Grata!

Siga-me nas redes sociais.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram