Vernissage


Eles herdaram meus sorrisos; Eu herdei as suas mágoas. Eles herdaram os meus sonhos; Eu herdei as suas lamas. Eu queimei nas suas chamas. Eles herdaram o meu sangue; Eu herdei as suas dores. Eles herdaram o meu tanque; Eu herdei as suas forquilhas, as suas planilhas e as suas cores. Eu queimei as suas flores. Por que deveríamos permanecer próximos? Se eu já não sou o que esperam? Se eu já não sou o que precisam? Eu prescindo destas honras Já confeccionei as minhas coroas. Já compus meus epitáfios. Meus advérbios estão cansados: eles tem sido econômicos, redundantes e lacunares. Meus silêncios dizem mais do que meus verbos pretensiosos estelares. Falo muito do que sinto; nada que pressinto mas o que eu sinto vai além de palavras escorridas. Minhas emoções escorrem como areia na ampulheta, e eu derreto em um caldo quente. Não há palavras que eu profira que meu corpo não as diga aos gritos. E os gritos do meu corpo são visíveis na pele e nas pupilas. E meus lábios sob o batom traduzem o que as palavras falham em traduzir. E, aqui nesse quarto escuro, deixo os lençóis dançarem com os travesseiros. Busco na cozinha um copo d'água. Você me acompanha na vernissage? Um amor assim selvagem pode sublimar-se em exposição: na catarse de dores, na percepção das cores, na escala de cinzas e tintas. Mergulho nos amores dos sentidos sentidos na alma antes de no corpo. Suba os degraus. Encontre-me em um quarto qualquer. Que tal discutir poesia, fotografia e filosofia antiga na harmonia esculpida no colchão? Você ganhou minha atenção (em seus tons de vermelho, diante dos cinzentos que cansavam meus olhos) antes que eu pudesse lhe mostrar as alterações da sua arte em meus contornos e meus entornos. Há de ser artista para tirar melodia da alma de uma mulher. Há de ser artista para extrair notas da mente de uma mulher. Há de ser artista para tirar música do corpo de uma mulher. Precisa de um cálice de vinho para relaxar? Não se subestime, rapaz Não o julgo, Voltar-se à mãe selvagem requer coragem. E por falar em permitir-se ser selvagem, acompanha-me na vernissage? Precisa de um cálice de vinho para relaxar? Antes ou depois de encantar os lençóis? *****

#vernissage #catarse #dores #amor #selvagem

8 visualizações
ATENA

ATENA

Adquira já o seu livro de poesias!

APOLO

APOLO

Adquira já o seu livro de poesias!

HADES

HADES

Adquira já o seu livro de poesias!

AFRODISIA

AFRODISIA

Adquira já o seu livro de poesias!

Patrocine a poetisa. Doe um cafezinho. Grata!

Siga-me nas redes sociais.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram